O Ativista Cultural Tarcísio Mateus Rodrigues Alencastro foi denunciado pelo Ministério Público por Crime contra Idoso, no caso sua própria mãe, em Julho do ano passado, porém veio a tona apenas no último mês. Além deste processo Tarcísio Mateus responde a outras acusações, desta vez por Dano Moral, que somadas ultrapassam os R$ 250 mil. O Ativista nega as acusações com referência a sua genitora.

Tarcísio Mateus é Ativista Cultural há mais de 20 anos, sempre promovendo eventos sociais e culturais ao longo de sua carreira. Idealizador e Editor do nome Costa Vip Brasil, que já envolveu uma Revista, Programa de TV, Festas Temáticas e agora pelas Redes Sociais, sempre promovendo a parte Social da Sociedade e o Turismo, inclusive com Congressos e Debates nos Litoral Norte e Sul de São Paulo.

Entre Julho e Agosto do ano passado Tarcísio Mateus mudou o foco de seus trabalhos e enveredou no campo Político, entrevistando Pré-Candidatos, acompanhando e criando Lives com eles e mais do que nunca, criticando e expondo alguns destes candidatos em seus programas, principalmente da atual gestão, nas Redes Sociais, através de informações de sua rede de amigos.

Em Julho de 2020 a Promotora de Justiça substituta Regiane Maria Heil, juntamente com a Estagiária do Ministério Público, Fernanda Pereira Pena, ofereceram denúncia contra Tarcísio Mateus por Crime contra Idoso, com base num Inquérito Policial que teve início em 2012 e finalizou apenas em Julho de 2020.

Segundo o despacho da Promotora Tarcísio se apropriava dos rendimentos da Aposentadoria da Idosa Neusa Rodrigues Alencastro, no caso sua mãe, para aplicações diversas de sua real finalidade. Tarcísio Mateus é Curador de sua mãe, que tem 80 anos. Ainda segundo o despacho Neusa Alencastro foi acolhida em Setembro de 2012 no Instituto Pró + Vida São Sebastião, localizado em Caraguatatuba, devido a situação de risco que estava submetida, decorrente do abandono, permanecendo sozinha, fazendo refeições precárias e sendo privada do básico em Saúde e Higiene, quando foi necessário o acolhimento na instituição.

Continua a Promotora Fernanda Heil informando que após o acolhimento no Instituto Pró + Vida Tarcísio continuou ausente, não visitando a sua mãe, sendo convocado para este fim. O filho e Curador não repassou a instituição os 70% correspondente ao custeio de sua mãe e os 30% restantes das despesas pessoais, caracterizando Abuso Financeiro. Tarcísio está sendo denunciado pelos artigos 98 e 102 da Lei 10.741/2003 e os artigos 69 e 71 do Código Penal, bem como o artigo 394 – Parágrafo 1º – Inciso 1 do Código de Processo Penal. A denúncia foi aceita pelo Juiz da Vara Criminal Júlio da Silva Branchini em 24 de Julho do ano passado.

Como se não bastasse o Processo na Vara Criminal, Tarcísio Mateus tem outras denúncias na esfera Cível, com Processos por Dano Moral, decorrente de suas declarações em Lives diárias realizadas nas Redes Sociais, que lhe valeram valores indenizatórios, caso seja considerado culpado, acima de R$ 40 mil, como o Processo movido pelo Prefeito Aguilar Júnior no valor de R$ 43 mil, o Vice-Prefeito José Ernesto Ghedin no valor de R$ 40 mil e da Jornalista Mayara Peixoto com valor de R$ 41 mil, dentre outros. Segundo apuramos são nove Processos Cíveis, um Criminal e dois Boletins de Ocorrência, elaborados por Osnildo Trombini e Maria Gema Trombini.

O Blog Contra & Verso entrou em contato com o Ativista Cultural que deu a sua versão sobre o caso. Segundo Alencastro devido aos problemas mentais de sua mãe, o INSS – Instituto Nacional de Seguridade Social – através de um médico colocou ele para receber a Pensão de Neusa Alencastro, por ele ser filho único. Informa que sua mãe foi colocada no Pró + Vida por intermédio do ex-Vereador Neto Bota e do ex-Prefeito Antonio Carlos da Silva, sendo que um dos motivos era o de se despir em público. Alega que entregou o cartão dela para o Instituto, sendo a instituição que recebia mensalmente a Pensão de Neusa Alencastro e não ele. Conta que estava com o cartão de sua mãe março de 2020 em plena Pandemia e através de uma ligação, solicitou que nos meses de Março, Abril, Maio e Junho, necessitava se alimentar e por causa disso, usou os valores correspondentes, fazendo a proposta de descontar 30% do valor mensal nos meses seguintes.

Reitera Alencastro que as acusações são levianas por parte da Instituição e que o seu Advogado já está fazendo a sua defesa e como base para sua defesa, conta que em 2019 veio dos Estados Unidos para a retirada de R$ 6 mil para o pagamento ao Instituto em espécie. Contra ataca o Ativista Cultural alegando que o Pró + Vida se apropriou dos valores mensais sem dar satisfação para onde foi o dinheiro. Finaliza que todo este caso se deve a um fato político, das denúncias contra o atual Prefeito.

Em quatro de Fevereiro Tarcísio Mateus foi impedido de fazer sua tradicional Live diária, por Determinação Judicial que resultou em bloqueio nas Redes Sociais. Sabe-se que a situação foi restabelecida 48 horas depois.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *