*Stefan Massinger

 

Mais uns fatos interessantes sobre vinhos, que achei no blog da Sonoma, e que apresento aqui com meus comentários.  Vamos lá, algo, que talvez você já reparou, mas nunca tinha a couragem de perguntar para não aparecer um completo lego no mundo do vinho. – Vinho Verde… não é verde!

Lá nas margens do Minho, em Portugal, está a região demarcada de Vinho Verde, ou seja, a denominação de origem (DOC) que dá nome ao vinho. Na verdade, a região do Vinho Verde tem este nome por 2 razões. Uma é, que as uvas usadas para produzir vinhos verdes, tem uma acidez marcante, e muito simplificado e resumido podem dar a impressão de imaturas (“verdes”), mas pode deixar as uvas mais tempo que quiser, esperando que o sol lusitano as torne mais “maduros”, isso não acontecerá. O próprio terrior da região centro-norte não vai deixá-los mais docinhos. A outra explicação pelo nome da região é, que está cheio de plantações e arvores – e assim o ano inteiro está bem verde, por causa de própria vegetação e das plantações. Então sim, você pode tomar um vinho verde que pode ser branco, tinto e até rosé, menos verde.

Continuaremos buscando curiosidades sobre vinhos em Portugal, temos que entender, que vinho do Porto não é produzido no Porto.

É produzido mesmo no Douro! O rio, que nos dá excelentes vinhos, além dos vinhos do Porto.  Mas o vinho fortificado passou a ser conhecido como Vinho do Porto porque era lá, na região do porto, que ficava armazenado antes de ser exportado (afinal, fica pertinho). Mas o que deixe ele tão doce e forte? – Para interromper a fermentação, o enólogo no momento, que ele considere certo, manda adicionar álcool forte (45% ou mais) – desta forma “trava” o sabor do vinho fresco, que está mais perto do suco de uva, que no vinho – e durante o resto do tempo, dormindo em barris de carvalho, ele desenvolve os sabores e aromas, que deixem ele macio, doce e mesmo assim forte.  Aliás, se você visite os armazéns à margem do rio Douro no Porto, você vai descobrir, que a maioria dos armazéns nem está em Porto, mas na cidade vizinho (no outro lado da beira do rio), que se chama Vila Nova de Gaia …. então do Porto este vinho tem talvez nada ou muito pouco … mesmo assim ficou famoso desde os ingleses exportavam ele em grande estilo para o Reino Unido.

 

* Stefan Massinger nasceu na Áustria, sul de Viena, numa região de vinhos. Vive em Caraguatatuba, sendo master do grupo Wine, o maior e-commerce de vinhos da América Latina, treinando interessados como empreender no mundo do vinho. Também tem uma empresa de venda de vinhos on-line e atua também como consultor independente de negócios.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *