A Saga de um Raio-X de Carga

Fachada AME 63

 

Você sabe o que um Raio-X de Carga? Há cerca de um ano um usuário do SUS (Sistema Único de Saúde) esteve em consulta com um Ortopedista no AME (Ambulatório Médico de Especialidades) em Caraguatatuba, de nome Ricardo, alegando problemas no joelho direito. A saga e os empecilhos para conseguir curar este joelho transformaram-se num caminho tortuoso e difícil, onde o hilário é a melhor opção para enfrentar a situação.

Depois da costumeira dificuldade em conseguir a consulta, o usuário vai ao consultório do Doutor Ricardo em busca da cura para as dores e o mal jeito com o seu joelho direito. O médico percebe que o usuário é obeso e com idade acima dos 40 e para avaliar a situação e definir qual o melhor tratamento, solicita uma radiografia.

Na solicitação de exame consta “Raio – X de Carga”. O usuário se despede e vai para a Pós-Consulta, setor que agenda os exames, relatórios e retornos das consultas. Ao ver a solicitação, a atendente pergunta o peso do usuário, que responde (na época) tratar-se de 140 ou 150 quilos. A atendente responde que não poderá marcar o exame no momento, pois a máquina só atende a pacientes com até 100 quilos.

Passados 6 meses sem ter realizado o exame, mas sentindo-se bem melhor com o joelho, o usuário procura a Ouvidoria do AME. A atendente do setor explica que uma máquina diferenciada é necessária neste tipo de exame, devido ao peso do paciente e como não existe similar na região estaria sendo contratada fora do Litoral Norte. O usuário vai embora aguardando ser chamado e na expectativa de realizar o tal exame.

Nesse meio tempo o usuário revalida a sua receita junto ao CEM (Centro de Especialidades Médicas) – Madre Tereza de Calcutá e visita o Centro de Fisioterapia e Reabilitação, sempre perguntando sobre a dita “Radiografia com Carga”, sem que médico ou fisioterapeutas pudessem responder sobre isso por puro desconhecimento.

Comemorando um ano de um malfadado exame não realizado o usuário encontra o Ortopedista Ricardo novamente e comenta com ele sobre o problema. Tal qual é a resposta do médico que deixa o usuário boquiaberto. “Raio – X de Carga é a radiografia feita com o usuário em pé”, disse o profissional. A menção carga diz respeito ao peso do corpo sobre o joelho, compreendido como carga, para uma melhor análise de como o joelho suporta o corpo da pessoa e se comporta. “A radiografia sem carga é com o paciente deitado. Esta variação não dá um parecer real, pois o joelho fica relaxado, ao contrário do raio-x em pé”, frisou. Em resumo, o paciente encosta na parede e o técnico foca o raio – x no local devido e faz a radiografia, não tendo qualquer relação de peso, estatura ou dimensão para a realização ou que impossibilite o exame.

O usuário leva esta questão a Ouvidoria do AME, que ouve tudo detalhadamente mas nada responde. O BLOG CONTRA & VERSO solicitou uma resposta da Assessoria de Comunicação do AME, atualmente administrado pelo Seconci – Serviço Social da Construção Civil do Estado de São Paulo e a resposta vem da Gerente Médica da unidade, Cecília de Paula, que coloca a unidade a disposição do usuário para a realização da radiografia, além de pedir desculpas pela falta de informação e desencontro na realização do exame.