BLOGUEANDO 07 – MAI- 2015

Bloguear 1

Teatro em Maio 1

La Pergunta? com Alexandre Porpetone (Comédia)

Dia 9 – sábado – às 21h Ingressos: R$ 50 / R$ 25

Duração: 80 min. Classificação: 14 anos. O humorista Alexandre Porpetone, integrante do elenco dos programas “Silvio Santos” e “A Praça é Nossa”, conhecido nacionalmente por suas inúmeras imitações, apresenta um show de humor com seus personagens de mais sucesso, como o popular “Cabrito Tévez”, além de assuntos da atualidade, contados de forma hilária e irreverente.

 

Teatro em Maio 2

Espetáculo “Helvis By” (Musical) Dia 16 – sábado – às 21h

Ingressos: R$ 60 / R$ 30 antecipado e R$ 70 / R$ 35 no dia

Duração: 100 min. Classificação: Livre. Com a potência e afinação de sua voz, Helder Moreira recria o trabalho de Elvis Presley a sua maneira, personalizando sua apresentação e seu modo de interpretar em uma releitura musical que conta com muita interatividade, simpatia, elegância e carisma. Esse diferencial fez com que Helder recebesse dezenas de convites da mídia, tornando-se referência nacional. Além de viajar para diversos países, o artista contabiliza mais de sessenta contratos para shows em grandes anfiteatros de navios americanos como atração principal.

 

Teatro em Maio 3

Espetáculo “Folias Galileu” (Comédia Dramática)

Dia 20 – quarta-feira – às 20h Entrada Franca

Duração: 100 min. Classificação: 12 anos

Indicado aos prêmios Shell, de melhor cenário, e APCA, de melhor direção, o espetáculo “Folias Galileu”, do Grupo Folias, traz uma espécie de excursão pelos recônditos do Galpão do Folias, na qual o público se depara com um caleidoscópio da narrativa do importante cientista Galileu Galilei frente ao seu dilema ético. Concepção Cênica: Dagoberto Feliz.

Teatro em Maio 4

Espetáculo “Los Ridículos” com Cia. de la Curva (Circo)

Dia 29 – sexta-feira – às 15h Entrada Franca

Duração: 40 min. Classificação: Livre. Los Ridículos é um espetáculo cômico conduzido pelos Palhaços Malagueta e Pafúncia.  Na peça, há uma atmosfera informal, num jogo direto e franco com o público. Com personalidades contrastantes, essa dupla de palhaços alia-se á plateia num roteiro com jogos interativos, adivinhações charlatãs, reprises circenses, nado sincronizado, tudo recheado por muita improvisação e humor.

Estágio

O Governo Municipal de Caraguá está com novo processo seletivo contínuo para contratação de estagiários. São 17 áreas, entre Ensino Superior, Técnico e Médio. Os interessados têm entre os dias 1º e 20 de cada mês para a inscrição, que é feita no Centro de Integração Empresa Escola (CIEE), no Centro.

Requisitos

Para a inscrição, o candidato deve ter no mínimo 16 anos, estar cadastrado no site do CIEE e apresentar o RG. A seleção será por prova com 20 questões sobre conhecimentos básicos de língua portuguesa, matemática, conhecimentos gerais e históricos.

Saiba mais sobre a convocação e as áreas no edital.

Política Fiscal

Em março, o setor público consolidado registrou superavit primário de R$239 milhões. O Governo Central apresentou superavit de R$1,5 bilhão, e os governos regionais e as empresas estatais, deficits de R$1,1 bilhão e R$97 milhões, respectivamente.
Anual
No ano, o superavit primário acumulado é de R$19 bilhões, ante superavit de R$25,6 bilhões no primeiro trimestre de 2014. No acumulado em doze meses, registrou-se deficit primário de R$39,2 bilhões (0,7% do PIB), comparativamente a deficit de R$35,8 bilhões (0,64% do PIB) em fevereiro.
Swap
Os juros nominais, apropriados por competência, alcançaram R$69,5 bilhões em março, comparativamente a R$56,3 bilhões em fevereiro. Contribuíram para essa elevação o maior número de dias úteis e o resultado desfavorável de R$34,5 bilhões das operações de swap cambial no mês, que superou em R$7,2 bilhões o resultado desfavorável registrado em fevereiro. No acumulado no ano, os juros nominais somam R$143,8 bilhões, ante R$58,6 bilhões no mesmo período do ano anterior. Em doze meses, os juros nominais totalizaram R$396,6 bilhões (7,11% do PIB), elevando-se 0,92 p.p. do PIB em relação ao observado em fevereiro.
Nominal
O resultado nominal, que inclui o resultado primário e os juros nominais apropriados, foi deficitário em R$69,2 bilhões em março. No ano, o deficit nominal soma R$124,8 bilhões, comparativamente a deficit de R$33 bilhões no primeiro trimestre de 2014. No acumulado em doze meses, o resultado nominal deficitário alcançou R$435,7 bilhões (7,81% do PIB), 0,98 p.p. do PIB superior ao registrado no mês anterior.
Déficit
O deficit nominal de fevereiro refletiu expansões de R$69,1 bilhões na dívida mobiliária, de R$1,6 bilhão na dívida bancária líquida e de R$1,9 bilhão nas demais fontes de financiamento interno, que incluem a base monetária, contrabalançadas, parcialmente, pela redução de R$3,4 bilhões no financiamento externo líquido.

Dívida mobiliária federal
A dívida mobiliária federal interna, fora do Banco Central, avaliada pela posição de carteira, totalizou R$2.316,5 bilhões (41,5% do PIB) em março, registrando acréscimo de R$103,1 bilhões em relação ao mês anterior. O resultado refletiu emissões líquidas de R$73,6 bilhões, elevação de R$1,6 bilhão em razão da depreciação cambial e incorporação de juros de R$27,9 bilhões.
Emissões
Destacaram-se as emissões líquidas de R$64,2 bilhões em LTN, de R$9,6 bilhões em NTN-B e de R$4,5 bilhões em NTN-F; e os resgates líquidos de R$3,8 bilhões em LFT e de R$0,6 bilhão em NTN-A.
Selic
A participação por indexador registrou a seguinte evolução, em relação a fevereiro: a porcentagem dos títulos indexados a câmbio permaneceu em 0,5%; a dos títulos vinculados à taxa Selic reduziu-se de 14,7% para 14,4%, devido aos resgates líquidos de LFT; a dos títulos prefixados evoluiu de 29,5% para 31,3%, em decorrência de emissões líquidas de LTN e NTN-F; e a dos títulos indexados aos índices de preços elevou-se de 26,5% para 26,7%, em função de emissões líquidas de NTN-B. A participação das operações compromissadas caiu de 28,5% para 26,8%, apresentando compras líquidas de R$42,1 bilhões.
Dívida Mobiliária
Em março, a estrutura de vencimento da dívida mobiliária em mercado era a seguinte: R$361,3 bilhões, 15,6% do total, com vencimento em 2015; R$364,6 bilhões, 15,7% do total, com vencimento em 2016; e R$1.590,5 bilhões, 68,7% do total, vencendo a partir de janeiro de 2017.
Diferença
No final de março a exposição total líquida nas operações de swap cambial alcançou R$358,2 bilhões. O resultado dessas operações no período (diferença entre a rentabilidade do DI e a variação cambial mais cupom) foi desfavorável ao Banco Central em R$34,5 bilhões.

Dívida líquida do setor público
A dívida líquida do setor público alcançou R$1.847,7 bilhões em março (33,1% do PIB), reduzindo-se 0,7 p.p. do PIB em relação ao mês anterior. A desvalorização cambial de 11,5% registrada no mês respondeu por redução de R$100,6 bilhões no estoque da DLSP.
DLSP/PIB
No ano, a relação DLSP/PIB recuou 1,0 p.p., influenciada pelo ajuste resultante da desvalorização cambial acumulada de 20,8% no período (-3,0 p.p.), pelo efeito do crescimento do PIB nominal (-0,4), pelo superavit primário (-0,3 p.p.), e pela incorporação de juros (+2,6 p.p.).
PIB
A Dívida Bruta do Governo Geral (Governo Federal, INSS, governos estaduais e governos municipais) alcançou R$3.480,2 bilhões em março (62,4% do PIB), elevando-se 1,4 p.p. do PIB em relação ao mês anterior.