Carnaval

Carnaval

Escrevo este texto durante a Quarta-Feira de Cinzas de 2006 e certamente, você estará lendo-o num período próximo a folia de 2007. Possivelmente o conteúdo deste texto não poderá ser utilizado no Carnaval de 2007, mas com certeza você poderá meditar sobre ele, pensando no Carnaval de 2008.

Mas qual seria a relação entre o Carnaval e a comunicação empresarial??? Simples, através de uma boa ação de Marketing e comunicação, você poderá fazer um institucional ou até merchandising de sua empresa, se o evento for bem dirigido e esquematizado.

Vamos tirar por base o “Bloco do Urso”, do radialista Ricardo Mazzei. Em 2006 ele levou 400 pessoas para a rua, mais a bateria e um carro de som e por simplórios R$ 25,00 quem adquiriu a camiseta teve direito ao desfile e a um baile, regado a cerveja e churrasco, em local fechado, com conforto, segurança e entre amigos. Quer receita melhor???

Muito bem, porque o Carnaval em Caraguá não pode fazer o mesmo??? O que impede das tradicionais escolas de samba, apagadas e sem motivação desde 1997 de fazerem o mesmo??? Antes de fechar este parágrafo é bom frisar que o Poder Público não pode ser o principal financiador da folia. A ele (Executivo), cabe apenas fazer a divulgação – tanto da festa como apoio as escolas e blocos – , colocar a iluminação, adereços, decoração, segurança, arquibancadas e alguns benefícios para as agremiações que não tem quadra ou local para ensaio e preparação de seus carros alegóricos.

A tarefa é simples e para ilustrar ainda mais podemos seguir o exemplo de Salvador, capital da Bahia. Lá os blocos divulgam seus trabalhos pela Internet, captam patrocínio de grandes empresas e vendem seus “Abadas” por meio de e-comerce. Podemos fazer o mesmo em Caraguatatuba??? Claro que sim….!!!

Não é difícil os presidentes de bloco e escolas de samba angariarem endereços de amigos e velhos simpatizantes, mandar cartas ou e-mails falando sobre o assunto, colocando páginas na Internet e vendendo fantasias e Abadas, com pagamento via boleto bancário ou depósito em conta corrente. Obviamente não espere sair no primeiro ano com milhares de simpatizantes. Este é um trabalho de médio e longo prazo que reverte em lucro após um certo tempo.

Quando este bloco ou escola tiver um número considerável ou até pequeno de participantes, é a hora de buscar patrocinadores, que servirão para despesas extras e o pagamento de instrumentos e de membros da bateria, além de outros custos.

Mas o que a sua empresa tem com isso??? Mais uma vez é bem simples, basta analisar a melhor proposta que terá o menor custo e investir nesta agremiação, que você poderá usar como Marketing Institucional ou de Responsabilidade Social, agregando valor a sua empresa, melhorando a imagem e o seu conceito perante seus clientes e fornecedores.