A reportagem do Blog Contra & Verso flagrou na noite de quinta-feira – 28 de dezembro, um grupo de cinco homens danificando a mureta da avenida da praia, localizada na Avenida Dr. Arthur Costa Filho. Um dos homens portava uma ferramenta e próximo a eles estava estacionado um caminhão da empresa Black Circus. Segundo a Prefeitura a obra visava a instalação temporária do empreendimento. O fato contraria as regras sobre Patrimônio Público.

Durante uma caminhada de lazer na noite de quinta-feira – 28 de dezembro, no período da noite a reportagem do Contra & Verso observou cinco homens, sendo um deles com uma ferramenta, quebrando a mureta da avenida da praia, numa área entre a sede da Secretaria Municipal de Turismo e o Quiosque do Flávio. Junto ao grupo havia um amontoado de tijolos e o caminhão da empresa Black Circus estacionado.

Horas depois, ao retornar pelo mesmo caminho a reportagem não visualizou mais o grupo e nem o caminhão, mas haviam sido feitas duas rampas no mesmo espaço. O grupo não teve o devido cuidado para uma obra de qualidade, visto que em uma das rampas o acabamento de mármore havia sido retirado de forma grotesca.

Questionada através das Redes Sociais a Prefeitura, através de sua Secretaria de Comunicação (Secom) respondeu que a obra foi feita a pedido da Black Circus, que se instalaria no local temporariamente, durante a temporada de verão e que a mureta foi quebrada para facilitar a entrada dos frequentadores, sendo restabelecida logo após o seu período de permanência.

A Secom explicou, através das Redes Sociais, que o Black Circus tem como proprietário um ex-morador de rua que ao ganhar na Loteria, montou um Circo Beneficente, onde o frequentador não paga ingresso, mas sim doa alimento que é revertido para o Fundo Social de Solidariedade da cidade onde estiver instalado. O nome do proprietário e maiores detalhes sobre o empreendimento não foram fornecidos pela Secom. No Release oficial consta que a entrada é gratuita e a doação de alimentos não é obrigatória, além do empreendimento pertencer a dois irmãos que levam a magia do circo gratuitamente pelo país.

Nas Redes Sociais a atitude surtiu efeito negativo, pois a instalação naquele local não deve o devido estudo, pois acarretaria um grande congestionamento na principal via de acesso aos bairros da zona sul e a principal praia da cidade, a Martim de Sá. Ao mesmo tempo a quebra da mureta da praia contraria regras ligadas ao Patrimônio Público, onde qualquer obra naquele local, considerado como área de Marinha, necessitaria de autorização. Esta informação também não foi fornecida pela Secom.

Segundo informações o Black Circus seria instalado inicialmente numa área localizada também na avenida da praia, só que ao lado da sede da Unimed na cidade, entre as ruas São José dos Campos e Caçapava, em área pertencente a um grupo de empresários da cidade e que recentemente foi desapropriada pela Prefeitura para a construção do novo Paço Municipal e sede do Legislativo. Ao que se sabe a intenção inicial teria sido abortada e o novo local seria a área próxima a sede da Setur.

Atualmente o Black Circus voltou para a área inicial, pois segundo a Secom, haveriam problemas com o trânsito no local, mostrando que não houve um estudo sobre a melhor instalação do empreendimento. Os espetáculos tiveram início em cinco de janeiro – sexta-feira. Até o fechamento deste texto a mureta ainda não havia sido reparada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *