Módulo prepara os futuros Arquitetos para trabalhar na região

Arquiteto

Atualizar é a palavra de ordem para enfrentar a modernidade e a concorrência no mercado de trabalho. Aquele que não se atualiza perde espaço, clientela, experiência e não sabe enfrentar os problemas e encontrar as soluções para as próximas gerações.

Toda profissão precisa de atualização. Se antes o pescador usava de artifícios rudimentares para encontrar o cardume, hoje ele o faz com o auxílio de sonares e radares. O alfaiate hoje usa o raio laser para cortar o tecido e perder o mínimo possível. Pedagogos, Sociólogos, Psicólogos e Assistentes Sociais se utilizam atualmente de novas técnicas e novos autores, que se aprofundaram nos diversos temas ligados ao assunto. Até mesmo o Jornalismo se modernizou, pois nasceu dos tipos móveis de Gutemberg, passou pelo linotipo e hoje utiliza rotativas de velocidade e quantidades descomunais, composição a laser, informática, internet e fotografia digital.

Ao mesmo tempo que as profissões se atualizam os profissionais que nela estudam precisam ser preparados para enfrentar a atualidade e o mercado de trabalho e a maior tarefa das universidades é atualizar os conhecimentos para estes futuros profissionais.

Na Arquitetura e Urbanismo ministrado pelo Centro Universitário Módulo (CUM) a linha de pensamento é igual. Coordenado pela Mestra em Urbanismo Tatiane Roselli Ribeiro, graduada em Arquitetura e Urbanismo em 1995 pelo Mackenzie, Pós-Graduada em MBA em Gestão de Negócios pelo Centro Universitário Módulo em 2008 e antes disso, Mestre em Urbanismo pela Puccamp (Pontifícia Universidade Católica de Campinas) em 2004, a também avaliadora de conteúdo do MEC (Ministério de Educação), a professora de Projeto Urbano afirma que o Módulo tem buscado profissionais de gabarito para compor os seus quadros. “Mudamos a matriz curricular para investir em Tecnologia a partir de 2010”, disse a Coordenadora.

Os investimentos foram num laboratório de Práticas Construtivas, Maqueteria e Ateliê de Desenho, além do Laboratório de Informática já existente. Há também o Heliodon – aparelho que verifica o grau de insolação de uma construção.

Roselli Ribeiro diz que o curso de Arquitetura do Módulo difere dos outros por ser ter mais prático e pela cidade ter menos escritórios do que em outros centros, fazendo desta maneira a alternativa para o futuro graduado poder enfrentar o mercado de trabalho.

Perguntamos se o curso de Arquitetura do Módulo prepara o futuro profissional com as peculiaridades da cidade e região. “Trabalhamos com áreas irregulares e Loteamentos e no terceiro semestre avaliamos áreas através da matéria Morfologia e Cartografia, sem contar os estudos em Plano Diretor”, frisou.

Para a Coordenadora do curso de Arquitetura os problemas da cidade e região não interferem no ensino do curso pois há muito campo. “Os problemas de Caraguá estão nos gastos com a ociosidade das residências de veraneio, que poderiam ser redirecionadas as residências fixas”, relata.

Tatiane Ribeiro vê como problema a carga horária do curso de graduação. “No meu tempo a carga horária era de mais de 5 mil horas e atualmente é de 3.600 horas/aula. Se eu pudesse ter o poder de alterar, voltaria para a carga horária do meu tempo”, finaliza.