A situação política está ainda mais delicada

Eleições 03

Após 90 dias do lançamento do BLOG CONTRA & VERSO, quando encontramos a situação política da cidade em estado indefinido, podemos vislumbrar que tudo continua o mesmo ou até pior, sem uma luz que defina a situação conturbada a qual se encontra a cidade em termos de candidatura ao cargo majoritário em outubro de 2016.

O que se vê no momento é a aglomeração de nomes e intenções visando os votos dos eleitores, a falta de preparo, união e intenções da oposição visando a captura dos votos e uma situação que se dá o direito de lançar balões de ensaio e avisar que só lançará sua indicação em abril do próximo ano, faltando 6 meses para o pleito.

Toda eleição é feita de preparo, reuniões de equipe, planejamento, esquematização, logística e agendamento. Há quem diga que basta passar o seu recado da maneira mais simples possível e guardar para o dia o bastante para pagar mil Cabos Eleitorais para conseguir pelo menos se eleger para Vereador, necessitando aumentar esta estimativa quando o assunto é se eleger Prefeito.

Antes de definir repassar mensagens e obter fundo financeiro é necessário escolher um nome, definir chapa, fazer reuniões, comícios, caminhadas nos bairros, coligações ou apoios – depende da Lei Eleitoral – material de campanha, programa de rádio, carro de som, documentos, conta bancária de campanha, Comitê Eleitoral e por aí vai. É nesse ponto que o problema se agrava.

Vamos nos ater aos candidatos e começar pela situação.

Comandada literalmente e ao pé da letra pelo Prefeito Antonio Carlos da Silva a situação goza de plena satisfação política, pois tem vantagem de 4 anos só da última gestão do atual Prefeito e de 16 anos se contabilizar todo o período que o Tucano governou sentado na cadeira localizada na Rua Luís Passos Júnior, 50. Aos seus pés Antonio Carlos tem diversos nomes para escolher e só fará isso em abril do próximo ano, evitando assim o crescimento de uma possível rejeição e podendo trabalhar ao ritmo das Blitzkrieg Alemães da Segunda Guerra o nome do indicado com destino a sua sucessão. Ao contrário das anteriores, esta campanha eleitoral será Sui Generis, pois ao mesmo tempo em que não participará como candidato, Antonio Carlos não terá o mesmo ânimo para captar recursos e usará única e exclusivamente do seu nome e prestígio para angariar votos com intuito de eleger o seu sucessor, que terá, entre outros acordos, a obrigação de manter a máquina azeitada como ele deixará e de defendê-lo perante os Tribunais dos processos que certamente surgirão. Para sua escolha, assim como um cardápio de restaurante, o Prefeito Municipal tem pratos dos mais diversos, alguns com tempero acentuado, outros mais regionais e uns poucos difíceis de engolir e mastigar de tão ruins que são.

O único nome que se tem como certeza até o momento é o da vice, a Vereadora Vilma Teixeira, que por ter bases eleitorais na zona sul, seria a estratégia tirada de seu vasto cérebro para conter o avanço de seus oponentes no maior colégio eleitoral da cidade. O Secretário de Serviços Públicos (Sesep), Sérgio Braz é tido como um bom nome. Conhecido como Secretário Coringa, já trabalhou na Saúde além da Sesep e em todas as vezes suas passagens foram das melhores perante os servidores. Contra ele pesam o Nepotismo da filha, Letícia Braz, na Câmara Municipal e a falta de jogo de cintura no trato político. Nos bastidores comenta-se que seu nome foi colocado num Balão de Ensaio e o resultado teria sido de mal a pior.

Outro nome do Executivo é o de outro Secretário, desta vez de Obras Públicas, Gílson Mendes de Souza. Filho e membro de família tradicional Caiçara, tem contra si comentários maldosos sobre algumas obras e o fato de ser fechado, além de não ser político. No momento é o seu nome que está no Balão de Ensaio da vez e pouco se fala ou se comenta. O pior de todos é o do Vereador e ex-Presidente da Câmara Municipal Neto Bota, visto pelo Prefeito como traidor e dono de uma gestão insignificante como Chefe do Legislativo, além de ser dependente da própria mãe, que atua como lobista, guru político, incentivadora e porta-voz de suas intenções políticas. Este nome, além de ser o mais fraco é o que menos tem apoio interno e estrutura dentro da legenda e menos ainda de apoio popular. O médico Marcelo Ugatti é outra opção na manga do Prefeito Antonio Carlos. Inscrito no PSDB e com curso de Gerente de Cidades na bagagem, o especialista em Gastroenterologia é a alternativa de bom moço, bom nome, pai de família, católico praticante, de quase nenhuma rejeição e nenhum serviço prestado à comunidade. Contra ele é visível que não irá brigar pela indicação, deixando ao bel prazer do Alcaide a escolha, que pode ser para o pleito de 2016 ou 2020, 2024. Fala-se também em Nivaldo Alves, Secretário dos Esportes que tem se apresentado nos últimos anos como articulador político, sendo visto como um Golbery do Couto e Silva moderno. A experiência conta que geralmente articuladores não tem perfil de líderes ou candidatos vitoriosos. As opções restantes ao Todo Poderoso da Estrela Solitária são o Engenheiro Wilney Cardoso e o Médico José Ernesto Ghedini.

Pelos lados da oposição a visão é distorcida, desunida, desorientada, desconexa, disforme, desestruturada e despreparada. O grande número de nomes e a falta de entendimento entre as oposições, além da distância na corrida eleitoral deixavam um grande espaço a percorrer e que dificilmente seria percorrido dentro dos prazos limite. Se o único trabalho do Prefeito será o de bem escolher o seu sucessor, as oposições terão que vencer a fogueira das vaidades, entrar num acordo, praticar o consenso e realizar a Hercúlea tarefa de administrar e trabalhar um nome para vencer as eleições.

Os nomes são vários e todos totalmente diferentes entre si. O advogado João Lúcio foi o primeiro a lançar-se candidato e colocar o seu nome e sua vida profissional e política ao crivo das oposições. Participante de várias eleições não conseguiu eleger-se em nenhuma delas. É visto como um candidato com potencial, porém mais próximo da classe intelectual. A advogada Ana Catarina Ferreira é a novidade desta eleição. Neta de Benedita Pinto Ferreira, do clã Ferreira que despontou em políticos e membros Sociedade Civil Organizada lançou o seu nome há cerca de 90 dias mas depois aquietou-se. Não se sabe o porquê da acomodação, mas fontes garantem que tem relacionamento com o momento político nacional. Outro nome que se destaca na multidão e ao que parece terá grande apoio popular é o do Vereador Aurimar Mansano, que poderá ter outro Vereador, Baduca Filho, como vice. Colocado na posição de candidato nas últimas 2 eleições pelo eleitorado e só agora assumindo a postura de pré-candidato, o Vereador tem como rejeição a insegurança de assumir agora uma candidatura e sua vontade de estabelecer-se como candidato independente, atraindo lideranças oposicionistas e situacionistas, o que pode comprometer o seu eleitorado, com perdas substanciais de ambos os lados.

Finalizando o clã Aguilar deve vir com toda munição e bagagem política possível para obter os votos em outubro de 2016. O mais forte de todos é o ex-Prefeito, José Pereira de Aguilar, mas contra ele há o risco de não poder se candidatar, visto que tem contas rejeitadas. O ex-Chefe do Executivo garante que estará liberado para a caça dos votos, graças ao trabalho dos advogados contratados para tal. Mas não se desespere caso o ex-Prefeito tenha a sua candidatura barrada pela Justiça, pois nos bastidores políticos fontes garantem que a família tem um Plano B e um Plano C. O Plano B seria o lançamento da esposa, Rose Carrijo Aguilar, filha de Dário Leite Carrijo, Vereador famoso em São Sebastião, mas contra a ex-Primeira-Dama existe o fato da mesma não ter experiência política, se tornar marionete do marido e de nunca ter esboçado a mínima opinião do mais simplório caso que fosse ao longo destes anos. O Plano C tem como principal fator o filho Vereador do clã Aguilar, Tato Aguilar, que poderia ser lançado, caso o pai seja impedido pela justiça e a mãe não queira aceitar o peso do fardo. O único ponto contrário a sua candidatura seria o da pouca experiência e também a possibilidade de se tornar marionete do pai.

Se por um lado a não presença de Antonio Carlos da Silva na eleição como candidato alvoroça os pensamentos mais puros e insanos que sonham em conquistar um espaço ao sol, as oposições ficam ainda mais excitadas em poder concorrer contra candidatos mortais e não contra o Todo Poderoso Maquiavélico Político de Cérebro vasto, que tem dominado as urnas, as legendas e as pessoas nos últimos 16 anos. Situação ou Oposição, o que importa é que além do aval das oposições e das bênçãos do Prefeito, será necessário compor com outras legendas, fazer promessas palpáveis, fazer propostas francas e honestas e convencer o povo de que ou seguirá os passos pavimentados pelo profeta ou novos caminhos traçados e trilhados pelo Revolucionário Libertador. Sendo assim, resta saber como ficará o jogo, com quais peças e em quais configurações. Que o tempo seja o senhor da razão.