CARAGUÁ E OS SEUS PROJETOS DE TURISMO

Aquário Municipal

Em textos anteriores abordamos o quão Provinciana é a nossa cidade, que também é portadora de um Comércio Amador. Discorremos sobre a falta de apoio do Poder Público para com o Turismo, que o trata com verba de receita de buteco, sem o devido respeito e o necessário investimento. Você sabia que mesmo vivendo da Sazonalidade já surgiram grandes projetos para o Turismo???

Em 1997 o Prefeito da época e de hoje também, Antonio Carlos da Silva tinha como objetivo e projeto construir um Aquário em nossa cidade. Empreendedor como é e ainda novato quanto a Lei de Responsabilidade Fiscal, o Prefeito vai a França conhecer projetos similares que podem ser feitos nas praias de nossa cidade.

Os anos passam e a última praça no Pontal Santa Marina, na zona sul da cidade é escolhida para sediar o Projeto do Aquário Municipal. A população reclama que a área em questão é a última de lazer para os moradores do bairro. A Prefeitura responde que apenas parte da praça será usada para o Aquário e que o restante será transformada em praça, com toda a infra estrutura que este equipamento necessita.

Segundo consta a demora num entendimento entre moradores e a Prefeitura e no andamento do próprio projeto resultaram na fuga do investidor, que seria o mesmo do Aquário de Ubatuba.

Passear num Teleférico, não importando o trajeto e percurso, seja longo ou curto, muito alto ou numa altitude mediana. Não importa, o interessante é trafegar numa cadeira acima do solo e perto das nuvens, observando a cidade do alto, vendo tudo de cima, tendo um plano de visão global de parte da cidade. Este é outro projeto para o Turismo em Caraguatatuba.

Teleférico

As informações dão conta de que 2 trajetos estavam nos planos: Do Morro da Praia do Garcez até a Praia do Centro, altura do Camaroeiro ou do Morro do Santo Antonio até sua base, altura da Serraria. O Vereador Baduca Filho vinha mantendo Requerimentos com o intuito da idéia não morrer. Segundo o Parlamentar o Teleférico de São Vicente é o melhor e mais próximo para tirar todas as dúvidas e modernizar o projeto que poderia arrastar turistas aos borbotões para nossa cidade.

Ainda segundo o Vereador a intenção seria da Prefeitura permitir a construção do equipamento e por um prazo que poderia ser de 10 a 20 anos, permitir o funcionamento e gerenciamento pelos construtores e após este período, todo o equipamento; Obras, Infra Estrutura, Peças, Acessórios e Materiais se tornariam acervo do Executivo que poderia administrar ou terceirizar o serviço.

Falam ainda na construção do Monotrilho, nos mesmos moldes do que existe em Poços de Caldas e que está paralisado há mais de 10 anos. Projeto mais ousado, de maior custo e que com certeza reverteria em mais freqüência turística do que os outros projetos.

Conjecturas a parte este texto mostra que a Prefeitura tentou, de alguma maneira, fazer progredir o Turismo em nossa cidade. Certo como o ditado que fala “De boas intenções o Inferno está cheio”, as ações governamentais sobre o assunto mostraram-se infantis, dignas de gerentes de pasta que nada entendem do riscado, pois não vislumbraram um plano B e no primeiro projeto o deixaram escorregar pelos dedos; no segundo nem o Prestador de Serviço foi contatado e no terceiro o projeto ficou apenas no campo do sonho e da ilusão.

Errado ou Culpado, Incompetente ou Desorganizado não se sabe quem responsabilizar apenas a vítima indicar. No caso a vítima são os moradores e a própria cidade, que sem um Turismo profissional não haverá emprego para seus contribuintes e dinheiro circulando no comércio, mantendo a Sazonalidade, o Amadorismo e o Provincianismo.

Monotrilho