CRISE DA DENGUE GEROU UMA CONTA ALTA EM CARAGUÁ

Mosquito da Dengue

A Dengue está se tornando um grande problema em Caraguatatuba. Depois das várias ocorrências e da situação beirando o caos, a Prefeitura achou por bem Decretar Estado de Emergência e Calamidade Pública. Se não bastasse isso existe a falta de bom senso de alguns e o estímulo a selvageria da comunicação, que direciona declarações, causando problemas e prejuízos difíceis de contornar.

Este texto não tem por objetivo encontrar os culpados e crucificá-los, mas sim deixar para o leitor escolher ou definir quem é o culpado ou se há um culpado em todo esse imbróglio.

A crise da Dengue obedece uma sucessão de acontecimentos. Inicia-se com chuvas intermitentes que encontraram diversos recipientes de água limpa e parada, situação privilegiada para o criadouro de larvas e conseqüentemente, cidadãos infectados.

Em seguida vem uma Prefeitura que pelo jeito não esperava tantos focos espalhados pela cidade e ao perceber a proporção do fato, toma medidas emergenciais ante um estrondoso volume de ações necessárias, mas no momento a situação já está crítica.

Aliado a isso temos diversos especuladores de imóveis e veranistas desleixados, que não se importam com a cidade de veraneio que os acolheu e mantêm em seus domínios, piscinas abertas, caixas d’agua destampadas, pneus e recipientes que por causa da chuva, tornam-se uma imensa maternidade ao ar livre e céu aberto para o mosquito nascer, procriar, disseminar e infectar a Dengue em milhares de pessoas.

Os resultados até o momento são críticos e merecem atenção especial de toda a sociedade. A Prefeitura realiza a Operação Bota Fora nos bairros Martim de Sá amanhã – quarta-feira, 1º de abril e Morro do Algodão nesta quinta-feira, sempre das 8h às 16h. A ação já coletou mais de 300 caminhões de materiais deixados pelos moradores com o objetivo de  combater criadouros do mosquito da Dengue.  A operação também reforça os serviços de capina e varrição.

A região sul é a mais atingida pela doença com 41,9% de casos positivos; seguida da região Central com 37,85% e Norte com 20,06% conforme estatísticas da secretaria de Saúde. A cidade segue em estado de emergência e calamidade pública para execução de ações necessárias à prevenção e ao combate da Dengue.

A secretaria informa que até o dia 30/3/2015,  foram registradas 3.722 notificações de dengue em 2015. Destas, 1.630 foram positivas, 1.502 negativas e 590 estão em investigação, além de 2 óbitos confirmados, mais os casos negativos e os que estão em investigação.

Como se não bastasse tudo isso, uma emissora filiada a Rede Globo, com sedes em São José e Taubaté encontra a dona de uma Pousada e usa suas declarações como o cavalo de batalha para o caso. O fato da empresária reclamar de cancelamentos e de um supermercado com pelo menos 50 funcionários ter 3 deles com Dengue foi o bastante para crucificar a cidade a beira de um Feriado de Páscoa. A versão oficial da Associação de Hotéis e Pousadas alegou que os cancelamentos tem por base a crise financeira nacional e não apenas a Dengue na região. A rede hoteleira conta com hotéis lotados para o feriado, bem como alguns com metade da capacidade e outros com poucas reservas.

Em resumo, corremos o risco de ficarmos com hotéis, pousadas, similares e correlatos vazios e desertos neste feriado por causa dos ingredientes que foram servidos até o momento. Seja por um único item ou por um mix de problemas relatados até agora.

As razões e os motivos estão a mesa, basta agora escolher qual o melhor prato ou qual o pior prato para este banquete. O leitor terá a difícil tarefa de analisar a situação para ao final saber qual o preço que iremos pagar e se o valor é justo.