SERVIÇO

Serviço

Neste texto irei me ater a um grande problema enfrentado principalmente pelos comerciantes do ramo da Gastronomia, que é o “Serviço”. Na verdade todos os comeerciantes, dos ramos conhecidos enfrentam este mesmo problema. Para quem estiver na dúvida, se pensarmos que o serviço de um comerciante é a fachada de sua imagem e a sua imagem está ligada a comunicação, então estou no caminho certo e já tirei a sua dúvida, do porquê eu estar escrevendo sobre este tema nesta semana.

Falemos inicialmente de uma maneira geral. De nada adianta um comércio ou escritório sujo, mal iluminado ou com materiais precários na conservação. Para o consumidor, esta situação mostrará o verdadeiro retrato do seu empreendimento e venhamos e convenhamos, você não quer esta imagem negativa na mente do seu segmento de mercado, no público-alvo que compra periodicamente com você.

Organização, limpeza, asseio, iluminação e uma estrutura conservada dão a você, comerciante ou empresário, uma primeira imagem, um cartão de visitas que certamente irá impressionar o seu cliente. Caso contrário você parecerá muito ruim para um público D e E e despreparado para públicos acima de C.

Alguns exemplos velados devem ser retratados. Um Restaurante com cardápio de preços razoavelmente elevados, de aparência exótica, com uma vista maravilhosa e um atendimento muito íntimo e familiar, não

pode se dar ao luxo de ter talheres simplórios ou guardanapos comuns, de tamanho pequeno.

Note que toda a influência do local citado lembra públicos acima do C, mas o serviço se assemelha a de um restaurante popular. O empreendedor precisa saber qual o segmento de mercado pretende atingir, mantendo o nível estabelecido para tal, com risco de desmoronar todo o castelo que construiu.

Outro exemplo; Uma doceira, estabelecida em ponto razoavelmente estratégico, que atende moradores locais, turistas e veranistas, com público-alvo base na classe C, mas atendendo alguns segmentos nas classes B, D e E ou seja, firmou-se no centro, mais para o popular, com alguns folguedos de classes acima e abaixo.

Se prestarmos atenção os salgados são servidos em prato de vidro com talher de metal, o que está correto para o segmento pretendido. Mas o pecado vem na hora dos doces, que são servidos em pratos plásticos de festa para crianças, com colheres plásticas do tipo cristal. Outro pecado são os mesmos doces, que ficam dentro da geladeira na hora do corte do pedaço, pois nunca estão na temperatura ideal e com o seu recheio virado para dentro, fazendo o consumidor ficar perguntando ou malabarismos para tentar ver o seu interior.

Neste caso o empreendedor popularizou demais, com riscos de caminhar para o vulgar e derrubar todo o segmento de mercado pretendido. Como diz o velho ditado, “Nem tanto ao sol, nem tanto a terra!!!!”.

Como se vê, é dever do empresário equilibrar seu serviço e manter o nível desejado para o segmento de mercado escolhido. Esta é uma tarefa diária, árdua e prazeirosa, que irá agregar valores ao seu produto, manter o nível da marca, o bom nome de sua empresa e o segmento de mercado pretendido, pois criar situações que visualizem

mudança de segmento trarão prejuízos difíceis e demorados para sanar.