A incidência em larga escala da variante Ômicron – derivada do Covid-19 obrigou a Câmara Municipal de Caraguatatuba a manter as Sessões de modo Virtual, contrariando a afirmação do Presidente da Câmara, Tato Aguilar, feita no final do ano passado. O Legislativo aguarda a redução dos casos e o controle dos infectados para manter a promessa de retornar às Sessões Presenciais.

Em Setembro do ano passado o Blog Contra & Verso publicou com exclusividade declaração do Presidente da Câmara de Caraguatatuba, o Vereador Tato Aguilar, que as Sessões Ordinárias, Extraordinárias e Solenes voltariam a ser Presenciais, tendo em vista que na época a doença mostrava-se controlada e até Fevereiro de 2022 haveria segurança o bastante para o retorno do modo tradicional.

Na Coletiva de Imprensa no final de 2021 o Vereador ratificou o que havia dito em Setembro, fato este que traria a população de volta as galerias da Casa de Leis, afastada há pelo menos dois anos por causa da Pandemia. Obviamente que o retorno dos contribuintes as galerias da Câmara Municipal obedeceriam alguns protocolos, tais como medição de temperatura, aplicação de Álcool em Gel, distanciamento entre cadeiras que reduziria com certeza o número de participantes, de 88 para 66 pessoas ou até o Comprovante de Vacinação, com no mínimo, duas doses.

A mudança de planos, que contraria as declarações do Presidente do Legislativo local veio após a grande incidência da Variante do Covid-19, denominada Ômicron e da Gripe Influenza, de código H2N3. Os casos começaram a surgir em Novembro e causaram uma ida em larga escala as unidades de Saúde em todo o Mundo, bem como no Brasil.

Segundo dados da Secretaria Municipal de Saúde de Caraguatatuba, comandada pelo Médico Gustavo Boher, datada de 31 de Janeiro, foram aplicadas 252.373 doses de vacina, para um total recebido de 259.064 doses. Até a data do boletim, 107.096 receberam a 1ª Dose, 107.214 a 2ª Dose e 38.063 a 3ª Dose. No mesmo boletim, só que datado de Novembro de 2021, foram 21.649 casos recuperados e 45.677 testes aplicados.

Voltando a 31 de Janeiro foram confirmados 27.338 casos, sendo 3.905 de outras cidades, foram descartados 62.626 sendo 55.033 apenas de Caraguatatuba e mantem-se em investigação 27 casos, sendo quatro de outros municípios. Quanto aos Óbitos foram até o momento 465 confirmados, 156 descartados e oito sob investigação.

Quanto as unidades de saúde em 31 de Janeiro a UTI – Unidade de Terapia Intensiva estava com 63% de ocupação e a Enfermaria com 44%. Na UTI são 17 pacientes na Santa Casa, cinco no Hospital Regional e cinco na UPA – Unidade de Pronto Atendimento – do Centro. Em termos de Enfermaria são nove no Hospital Regional e 19 na UPA.

Quanto a incidência de casos pelos bairros da cidade o ranking se apresenta da seguinte maneira: O bairro do Perequê-Mirim ocupa a primeira posição com 1.265 infectados, Massaguaçu em segundo com 1.244, Indaiá em terceiro com 1.222, em quarto o Travessão com 1.145 e em quinto Jardim Gaivotas com 1.135, mostrando que a zona sul tem os maiores índices de comunidades infectadas, seguido da zona norte e do Indaiá, que situa-se nos arredores do centro da cidade. O Centro da cidade é a sexta comunidade, com 998 casos.

A primeira Sessão Ordinária de 2022, ocorrida ontem, de modo Virtual e transmitida pelo You Tube e pelo site da Câmara não teve Projeto de Lei na Ordem do Dia, apenas documentos no Expediente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *