O Líder do Prefeito na Câmara, Vereador Aurimar Mansano/PTB renunciou a liderança na última Sessão Ordinária do Legislativo local, alegando problemas pessoais. A atitude do Parlamentar despertou a imaginação e uma série de conjecturas entre moradores locais, no meio político e entre os comentaristas da cidade. O Prefeito agradeceu o empenho do Vereador e diz não ter ainda outro Parlamentar para substituir.

Aurimar Mansano é Delegado de Polícia, não recebe pela Câmara, é Vereador pelo sexto mandato, vencendo uma velha tradição de que Parlamentares não ultrapassam cinco mandatos na cidade, casou recentemente e tem 2 filhos, criou e comandou a Comissão de Saúde na Câmara e já exerceu a Liderança do Executivo na Casa de Leis nas últimas três gestões. Na atual gestão exercia a função nos últimos seis meses, principalmente durante as discussões do polêmico Projeto do Empréstimo de R$ 152 Milhões. Cogitado várias vezes como um forte candidato a Prefeito nunca se candidatou.

O meio político local assustou-se durante a última Sessão Ordinária semanal da Câmara de Caraguatatuba, em 29 de outubro, quando durante o Expediente foram lidos ofícios de autoria do Vereador, o primeiro comunicando a Presidência do Legislativo que deixaria a função de Líder do Prefeito e o segundo mensagem endereçada ao Prefeito com a mesma informação. Nas missivas o Vereador alega problemas pessoais para se afastar da função e desgaste com alguns projetos defendidos. Com a renúncia o Prefeito deverá ser rápido para nomear outro Parlamentar para a função visando a próxima sessão e as demais para o próximo ano.

Bastou o meio político tomar conhecimento da atitude do Vereador para que um mar de afirmações, rumores, conjecturas e expectativas inundassem as Redes Sociais, os bastidores da política local e os comentários do povo em geral e da Sociedade Civil Organizada.

Os comentários versam sobre o fato de ter sido líder na discussão do malfadado Projeto do Empréstimo que certamente o teriam “queimado” politicamente na cidade. Analistas Políticos de Plantão disseram, ainda sobre o Empréstimo, que o momento seria o de se afastar e descansar a imagem visando as Eleições Municipais de 2020 e uma reeleição com menos atropelos. Ao mesmo tempo entre a imprensa local será difícil se afastar deste estigma, visto que em ano eleitoral tanto ele, quanto os outros nove Vereadores serão lembrados como os “Vereadores que apoiaram o Empréstimo”.

Há quem diga também que a derrota do Empréstimo na Justiça, bem como a atual situação política do atual grupo gestor direcionaram o Vereador a deixar a liderança, como sinal de que o atual grupo estaria naufragando politicamente. Esta última alegação não tem muita consistência, visto que o PTB liderado por Mansano apoiou incondicionalmente o atual Prefeito numa super convenção conjunta em junho deste ano com mais cinco partidos. Esta realmente é uma alegação duvidosa, visto que apoios e sustentação política mudam como o rumo dos ventos em ano de eleição.

Com a saída de Aurimar a vaga de Líder do Prefeito no Legislativo fica em aberta e um novo nome ainda não foi definido pelo Chefe do Executivo, mas nos bastidores são várias as suposições. O mais próximo seria o Vereador De Paula, que tem a “inovadora” função de Vice-Líder do Prefeito na Câmara, mas o mesmo teria declarado entre amigos que declinará se for convidado para manter a sua independência, como se isso existisse para um Parlamentar da situação e ao mesmo tempo que um fato estivesse relacionado com outro. Falam também em nomes como o de Salete Paes, Agnaldo Butiá e Chininha, mas os mesmos são vistos pela classe política como despreparados para a função, restando apenas o nome de Tato Aguilar, que além de ter o preparo necessário, tem um dever familiar em defender o irmão, seu pai e a atual gestão.

A função de Líder do Prefeito na Câmara é a defender, orientar, organizar os votos e fazer lobby para que as proposituras assinadas pelo Executivo tenham aprovação entre os Parlamentares. Como líder o Vereador pode pedir a inserção de um projeto na pauta, seja por normal tramitação ou por Regime de Urgência, podendo também retirar o projeto da pauta, seja por tempo indeterminado, como por algumas sessões ou até arquivá-lo, tudo isso mediante orientação e entrosamento com o Chefe do Executivo. Estudiosos em política e Administração Pública defendem a ideia de que o Vereador Líder do Prefeito na Câmara é um traidor da causa Legislativa, pois vive num total impasse, entre ser Vereador e fiscalizar o Prefeito e defende-lo através de suas propostas. Estes mesmos estudiosos defendem a criação de um emissário do Prefeito que esteja presente nas sessões para defender os interesses do Executivo.

Solicitada pela Redação do Contra & Verso a Prefeitura se manifestou sobre o assunto. “O vereador alegou que não estava conseguindo conciliar a função por conta de problemas pessoais e eu respeito. Agradeço ao Vereador por todo empenho dele enquanto estava na liderança.
O vereador faz um grande trabalho no Legislativo. Não há nenhum problema com o pedido dele de afastamento da liderança. Até o momento ainda não temos nenhum nome.”, disse. O Vereador Aurimar Mansano disse que sua renúncia foi por motivos pessoais e que o seu ato não é político e não tem relação com o Projeto do Empréstimo, limitando-se, no máximo a dizer. “Não há uma identificação completa com o Governo para ser líder!!!”, frisou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *