Recentemente a Prefeita de Ubatuba, Flávia Pascoal, declarou em sua página oficial que não haverá Carnaval em Ubatuba. O fato gerou o maior Meme do mês de Novembro e com certeza em Dezembro também, pelo simples fato de que ela decidiu pelo Cancelamento sem dar qualquer explicação, seja na página da Prefeitura, seja por sua Assessoria de Comunicação e até na sua própria página de onde tudo se originou. Acontecimentos como este podem ser vistos como uma forma de Blindar a Comunicação Oficial.

O Blog Contra & Verso publicou também recentemente sobre a Blindagem na Comunicação do Poder Público, dando como exemplo a visita do Governador João Dória Júnior ao Litoral Norte negando-se a responder sobre os problemas da região e principalmente para a Imprensa Regional, limitando-se a aparecer apenas em veículos Regionais e Nacionais na forma de Vídeo e Imagem.

Falando sobre Comunicação e Ubatuba não é primeira vez que a Prefeita surge como destaque nas páginas do Contra & Verso. Refiro-me quando publicou Release sobre Invasão de Terras e na foto que ilustra o texto a Prefeita aparece de costas, como se todos soubessem que uma Prefeita que se mantêm no silêncio de informações, fosse a loira que aparece de costas.

Agora o assunto é sobre o Cancelamento do Carnaval em Ubatuba sem qualquer explicação oficial ou oficiosa. Simplesmente aparece uma postagem na página pessoal da Chefe do Executivo Ubatubense informando que não haverá Carnaval em sua cidade. Mais do que uma informação de peso o fato tornou-se hilário pela forma que foi feito.

Vamos degustar e explicar o fato. O Cancelamento do Carnaval numa cidade de praia, não chega a ser assunto dos mais relevantes, pois venhamos e convenhamos, com exceção do Rio de Janeiro quem se dirige a uma cidade litorânea durante os quatro dias de folia para sambar e cair no samba???. Carnaval em cidade de praia é desculpa para se dourar ao sol, tomar uma cerveja à beira-mar, provar de quitutes como um Camarão ou Isca de Peixe e para apreciar a paisagem feminina, se você for homem ou bissexual. Repito, somente no Rio de Janeiro é que o Turista se locomove para desfilar em algumas das 12 Escolas de Samba do grupo Especial.

Quanto ao parágrafo anterior, exceção se faz para cidades como São Luís do Paraitinga e do interior de Minas Gerais, onde a trilha sonora são as marchinhas, velhas, tradicionais ou novas e não os Sambas-Enredo das escolas cariocas e paulistas. Nestes municípios, se não houver Carnaval a cidade pára, desaparece.

Por outro lado não podemos fugir que na maioria das vezes e Ubatuba não foi a primeira e não será última que uma cidade cancela os gastos com o Carnaval para gastar com pastas mais importantes e prioritárias como Educação, Saúde, Segurança Pública ou Infraestrutura Urbana. É bom lembrar que esta atitude é louvável, admirada e que deve ser lembrada sempre.

Quando o assunto é Carnaval e Verba Pública devemos frisar que os gastos são para os Blocos e Escolas, se a cidade tiver ou a Liga das agremiações municipais, se a mesma existir, além do gasto logístico como Som, Iluminação, Banda para animar os bailes, Horas Extras dos Servidores que trabalharão na avenida e Decoração nos postes da cidade. Os gastos variam de cidade para cidade e do tamanho da festa que a Prefeitura deseja fazer.

Outro ponto que não se pode esquecer diz respeito a Pandemia do Covid-19. Eu pergunto a você, meu Leitor e Seguidor, a falta de Carnaval vai impedir que haja aglomerações, com grupos muito próximos um do outro e sem máscara, por causa da Folia e das cervejas e quitutes para degustar e devorar???.

Em suma Ubatuba, bem como as cidades do Litoral Norte não terão prejuízo se houver ou não, a mais famosa Festa Profana do calendário cultural brasileiro, pois temos praia para todos os gostos e se São Pedro ajudar, sol forte e muito calor para incentivar a vinda dos Turistas.

O maior problema neste caso que figura como o Meme do ano é a falta de uma explicação sobre o Cancelamento, que até hoje é desconhecido se é pessoal, profissional, político, financeiro ou administrativo. Frisando que o Poder Público tem as suas obrigações e direitos e informar é uma delas, tida como prioritária, importante e tradicional.

Apenas como adendo a única explicação dada até o momento veio do seu Líder do Governo na Câmara, o Vereador Rogério Frediani, que apresentou como desculpa a transferência da verba da Folia de Momo para setores mais importantes na cidade.

Fatos como este depreciam a gestão de Flávia Pascoal, pois ela foi eleita como sendo uma política que não pertence aos velhos Caciques Políticos locais, mesmo tendo exercido a função de Vereadora e Secretária de Educação, pois são fortes os comentários políticos de que o poder de Flávia Pascoal é dividido entre o Secretário de Governo, de nome Joaquim e o seu marido, que é Policial Civil baseado em Ubatuba. Este trio Administrativo/Familiar pode ser bonito, porém é mais prejudicial do que proveitoso.

Não é a primeira vez que Ubatuba sofre com problemas na sua Comunicação Oficial. A primeira assessora, sua prima, foi exonerada recentemente e um novo chefe para o setor foi admitido, mas pelo jeito ele desconhece Comunicação no Poder Público ou precisa de tempo para se adequar a posição.

No fechamento deste texto recebemos o áudio da Prefeita, feito na sua página pessoal, onde ela contradiz especialistas em Vida Marinha sobre os ataques de Tubarão nas praias de sua cidade. É, a situação não anda bem mesmo em Ubatuba!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *