A coluna de hoje vai abordar uma velha questão que são as enchentes constantes, consequência de chuvas intensas com a adição da maré alta numa cidade que tem índice topográfico zero e até negativo.

 

Topografia

Um dos grandes problemas, se não for o maior, que a cidade enfrenta é a sua situação topográfica, com pontos que empata com o nível do mar e em alguns lugares os números são negativos, ou seja, está abaixo do nível do mar.

 

Chuvas

Para complicar a situação a cidade tem índices pluviométricos altos, com médias que vão de 160 a 200 dias/ano de chuva, que aliados a topografia existente, transforma o município numa imensa piscina.

 

Maré

Se já não bastasse tudo isso, tem ainda o problema da maré alta e maré baixa, que todo dia ocorre na cidade e se a chuva for intensa e com volume na hora da maré alta, com certeza moradores das áreas mais baixas vão sofrer com alagamentos e inundações.

 

Cenário

Bem, não preciso explicar no que resulta tudo isso: Água a pelo menos um metro de altura e a perda de eletrodomésticos, alimentos, móveis e riscos de doenças por causa das águas infectadas.

 

Lençol

Ah…..!!!!!! esqueci. Tem também o Lençol Freático que é mais do que alto, pois bastou cavar um metro e a água flui com naturalidade, volume e de forma incessante.

 

Alternativas

Há anos as últimas administrações vem tentando resolver esta questão sem muita sorte, através de drenagens.

 

Alternativas 1

Fazer piscinões ou reservatórios para represar a água da chuva impedindo a inundação é uma medida cara, pois necessita recalcar o terreno e com um lençol freático como o nosso, aliado ao custo, torna-se proibitivo.

 

Alternativa 2

A minha alternativa não é barata, mas penso que pode resolver em muito. A construção de reservatórios aéreos, acima da terra, juntamente com bombas para sucção da água da chuva e posterior envio para tratamento à Sabesp é também uma alternativa cara, porém que traz menos consequências.

 

Questão

Uma das questões que não é resolutiva, mas ajuda a diminuir o impacto causado pelas constantes e intensas chuvas é a separação, em encanamentos distintos, dos despejos de esgoto com as águas pluviais.

 

Resultado

Só de não misturar as águas pluviais com o esgoto residencial, com os mesmos correndo por caminhos diferentes já é um bom alívio para evitar a contaminação dos moradores e reduzir, em partes, os estragos que as chuvas causam na cidade.

 

Apoio

A bem da verdade não basta apenas isso. A conscientização da população quanto ao assunto é importantíssima. Não sujar as ruas, colocar o lixo em lugares elevados e evitar de entupir as bocas de lobo são questões prioritárias para amenizar o problema.

 

Bom Senso

De maneira alguma irei classificar o povo assim como foi feito pelo Bagre Pai naquele absurdo áudio viralizado na cidade e publicado nesta coluna há alguns dias. Diremos apenas que falta a população um pouco de bom senso para com a situação.

 

Sabesp

Perguntamos a Sabesp sobre as orientações e protocolos referentes ao assunto. A Sabesp informa que todo imóvel deve possuir instalações independentes para os esgotos domésticos e as águas pluviais (recebem águas das chuvas provenientes de calhas dos telhados e jardins).

 

Sabesp 1

A tubulação da Sabesp, que recebe o esgoto e envia para a estação de tratamento, tem menor dimensionamento do que as galerias de águas pluviais, as quais são administradas pelas prefeituras. O mau uso das redes coletoras de esgoto traz prejuízos para o município e toda população, já que detritos como terra, areia e lixo vindos das calhas podem entupir as tubulações, gerando inclusive extravasamentos.

 

Sabesp 2

Isso acontece porque muitos imóveis acabam conectando calhas e ralos na rede de esgotos, prática que é proibida por lei (decreto estadual nº 8468 – 8/09/1976), inclusive passível de multa por meio da Vigilância Sanitária do município – órgão responsável pela fiscalização (autuação e aplicação de multas).

 

Prefeitura

Fizemos o mesmo questionamento à Prefeitura, que respondeu através de sua Secretaria de Comunicação. De acordo com a Secretaria de Urbanismo, todo imóvel que não está devidamente ligado na rede coletora de esgoto é apontado pela SABESP e a Fiscalização tanto de Posturas como Vigilância Sanitária notificam o proprietário à sanar a irregularidade sob pena de multa pelo não atendimento.

Prefeitura 1

Quanto as novas edificações a Prefeitura informa que as mesmas devem ser feitas com a separação do esgoto doméstico das águas pluviais.

 

Sensato

Se a coluna explicou todo o procedimento não seria uma boa alternativa você ser sensato e proceder como manda a lei e tentar trazer um pouco de tranquilidade para a sua rua, seu bairro, sua família???

 

Muro

E as últimas chuvas revelaram o mais novo vilão da história; o muro que divide o Pontal Santa Marina da Fazenda Serramar.

 

Tempos

O muro existe há tempos, mas só o fato de falar sem parar sobre ele por causa das chuvas de grande intensidade e volume dá a entender que necessitava eleger um culpado para o caso.

 

Arrogância

O atual Prefeito citou na Caraguá FM que foi recebido com arrogância pelo Gerente da Fazenda Serramar. E onde está a novidade disto???

 

Lembrança

Lembro muito bem quando a Câmara elaborou projeto colocando como Acervo Histórico Municipal o Porto de Bananas da Serramar. Foi um Carnaval de absurdos, negativas e críticas a propositura, que nem chegou a ser votada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *