Uma noite Inesquecível

 

A noite estava estrelada e uma leve brisa levava a cortina para lá e para cá. A temperatura era amena e o momento, propício para a sedução.

Entro no quarto, luz apagada, apenas o abajur a iluminar o ambiente. A visão não podia ser melhor. Você estava com uma camisola branca, decote generoso na frente e um mais generoso ainda atrás, que mostrava as suas costas por completo. Como você se mexia na cama lendo um livro, a parte de baixo levantou e mostrou com clareza as suas coxas por completo e boa parte de seu quadril. De onde estava me deleitava com a visão parcial de suas partes mais íntimas e com o tamanho de seu derrieré, que, devo confessar, intimava ainda mais o meu desejo, o meu frisson e a minha excitação.

Você me olha de lado, exclama ser bom ter chegado e me convida para deitar. Contemplo você como um troféu, uma presa, uma caça, um ícone a ser admirado e detalhadamente observado.

Penso que o macio de um colchão não pode ser o único local para te amar e te seduzir. Convido-a para levantar, dou-lhe um abraço e envolvo todo o teu corpo com meus braços, sentindo o perfume que dele exala.

Levo-te a frente do espelho, você de frente a ele e de costas para mim. Você entende o que digo e penso e começa a levantar lentamente a camisola. As coxas vão aparecendo por completo e seu sexo surge aos meus olhos. Minha respiração e meus olhos respondem a estes atos de extrema libidinagem e provocação. Suas mãos seguram os seios e com os dedos polegares, começam a descer as alças da camisola.

Em segundos teu corpo está nu e a camisola no chão. Apaixono-me mais e mais vislumbrando tuas formas gostosas, sedutoras, sensuais e interessantes. O que antes eu encostava num tecido fino e gostoso, agora resvala num corpo quente e cavernoso de puro prazer.

Abraço-te como posso. Minhas mãos passeiam pelas coxas, pelo púbis, percorrem a barriga e se encaixam nos seios. Agora é você quem responde as minhas carícias, com seus olhos, com a temperatura de teu corpo, teu arfar e gemidos curtos e profundos.

Viro-te de frente para mim. Agora é o espelho que se beneficia da visão de teu quadril largo, grande e arrebitado. Interrompo a visão privilegiada do espelho para tocar tuas nádegas com minhas mãos, percorrendo teu ponto de prazer e descendo a mão para o teu recanto mais procurado.

Beijo-te a boca incessantemente e afago teus seios com a mesma intensidade, enquanto tu me acaricias, mostro estar apto a batalha, rígido e altivo como um soldado na linha de frente. Vasculho tua orelha, teu pescoço e você me retribui da melhor maneira, fazendo-me carinhos com a boca que entorpecem o meu ser e levando-me ao delírio completo.

Por alguns instantes viro-te novamente de costas para mim. Quero sentir o teu derrieré, sentindo o calor secreto de algo que não revelas com periodicidade, mas que tem um prazer inigualável, digno de ser um presente dos Reis.

Levo-te à cama. Tu se aninha no colchão e abro levemente tuas pernas. Acaricio tuas coxas, ajoelho-me e começo a beijar a parte interna de tuas pernas. Vou me chegando lenta e gradativamente ao ponto máximo do teu prazer. Rodeio-a com a língua, mordiscando os grandes lábios. Chego ao clitóris. Inicio movimentos circulares, mordiscadas, chupadas e lambidas. Uma seqüência de atos que a levam a loucura e que proporcionam a mim, o gosto de seu desejo, de teu pecado, o perfume e o sabor de teu prazer.

Mas você quer compartilhar e me chama para ser acariciado. Mudo de posição e agora estou deitado, suplicando que você repouse o teu prazer mais cobiçado em meus lábios. Você movimenta a pélvis para frente e para trás, transmitindo prazer e carinho do início do teu prazer, passando por seu maior prazer e chegando até o seu prazer mais desejado.

Enquanto alterno chupões, lambidas, mordiscadas e penetrações com a língua em tua fonte máxima de prazer, recebo teus lábios em meu guerreiro, que vão do início até a base, percorrendo toda a sua extensão, quando tenho os escrotos contemplados pelo calor de tua boca. Após isto, tua boca faz movimentos contínuos e ritmados, acima e abaixo, o que faz meus batimentos cardíacos aumentarem visivelmente.

Minutos após esta constância de prazer e tesão você me pede para cavalgar. Subitamente você retira teu maior prazer de minha boca e se ajeita para acomodar dentro de si o meu guerreiro ávido por um combate. A visão que tenho agora é de teu derrieré, o que faz ter pensamentos mais que libidinosos para uma segunda etapa.

Com o autoritarismo de sempre você manda que eu te penetre. Eu retribuo tua ordem pedindo que tu o introduza com tuas mãos macias e carinhosas, o que é feito automaticamente. O teu autoritarismo de prazer continua e tu exige que eu te penetre mais e mais. Contemplo teu quadril mexendo para frente e para trás e as vezes, para cima e para baixo. Meus gemidos se confundem com os

teus e o cheiro de prazer impregna o ar, que se torna quente e úmido a ponto da leve brisa não refrescar em nada o ambiente.

CONTINUA…..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *