A História do Pavão Misterioso – Uma Crônica Política

Pavão 3

 

EM VIRTUDE DA MENÇÃO HONROSA RECEBIDA NO CLICA – CONCURSO LITERÁRIO DE CARAGUATATUBA, REPUBLICAREMOS O TEXTO A SEGUIR

Reza a lenda que há um certo tempo, numa terra distante entre a Serra da Mantiqueira e a divisa com a Bahia nasceram três pássaros distintos; Um Quero-Quero, uma Catatua e um Pavão meio misterioso, todos do mesmo ninho. É sobre a história deste trio de asas e penas, em especial sobre o Pavão, que vou falar.

Certa vez o Pavão, que cuidava do olhar das pessoas foi convidado a mudar de galho e de árvore em árvore, chegou a uma terra linda, localizada entre Bananal e os rincões do Paraná, que harmoniza terra e água, Serra e o Mar, um lugarejo onde as pessoas se deliciam, aproveitam a vida, descansam e praticam o lazer.

Assim como todo Pavão a chegada foi triunfal. Muito brilho, luz, os holofotes da dúvida e da curiosidade logo encheram o coração de algumas mulheres e de muitos homens. Quem era esse Pavão que chegou para encantar muitos e empolgar a poucos???

Com o tempo a máscara foi caindo, ou melhor, o bico foi se mostrando, se revelando na sua mais profunda intimidade. O Pavão alternava uma vida de quem cuidava do que os outros viam com noites bicando aquela água ardida em demasia e a convivência com Gralhas, Periquitas e Pombas dos mais variados tipos e tamanhos.

Há quem diga que o Pavão tinha gostos estranhos e diferentes de outros da sua mesma espécie, bem como seus irmãos Quero-Quero e a Catatua. Comentários a parte há quem diga que o Pavão, ao ingerir o líquido que outros pássaros não consomem, tinha desejos estranhos e colocando seu esvoaçante rabo em destaque, empinado e bem aberto, mantinha predileção por Urubus, Gaviões, Jacus, Falcões, Rolinhas e outros pássaros viris e dotados.

Comentários à parte o Pavão fazia sucesso mesmo com algumas reclamações a respeito de algumas visões mal feitas e mal reparadas. Inflamado pelo sucesso a Catatua também quis participar, mesmo sem saber por que veio e notando que sua vinda ou não, de nada faria diferença. Vendo o lugarejo como a terra das oportunidades, o Quero-Quero também veio. Esse pássaro veio para o lugarejo com maus costumes, pois se o Pavão é todo brilhante e reluzente o Quero-Quero gosta de tudo que brilha; Ouro, Diamante, Rubi, Brilhantes dentre outros. Enfim, tudo que brilha e reluz encantava o Quero-Quero, que preferiu ficar no lugarejo, remendando algo aqui, algo lá e acolá, pois em outros lugares Minerva não tirava os olhos dele.

Mas o brilho ofuscou os olhos do Pavão, que incentivado pelo Quero-Quero e a Catatua, resolveu que iria comandar o poleiro do lugar. Foi através desta ambição penosa que começava a sua derrocada. Prometeu mundos e fundos a Pardais, Rolinhas, Pintassilgos, Pássaros Pretos, Andorinhas e Colibris. Suas promessas iam de moedas a outros pássaros, passando por acessórios e equipamentos. As leis e ordens vindas do ninho central impediram que o Pavão brilhasse e por causa disso, alguns de seus pássaros começaram a voar para outros ninhos e mesmo com as moedas do Quero-Quero, as aparições mal sucedidas em alguns locais e a parceria com Gralhas que mais queriam eram suas moedas, sua intenção de mostrar o rabo reluzente e tomar lugar no poleiro mais alto do lugarejo ficavam cada vez mais difícil.

Não se sabe qual será a escapatória do Pavão, que para alguns, diz querer apenas mostrar o rabo emplumado nesta lua, para tentar comandar o poleiro nas próximas luas. O que se sabe é que um Pavão que as vezes é Gavião e em outras é Rolinha e que anda junto com um Quero-Quero e uma Catatua, não pode ser levado a sério, seja por um simplório Pardal ou por uma Águia da Cabeça Branca.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *