Um pouco da história da região se perde a cada dia por falta de cuidado, de incentivo, de amor ao passado. Numa época onde o Turismo ainda padece de uma melhor organização e estrutura e a religião ocupa, cada vez menos espaço no coração das pessoas, o Litoral Norte, mais precisamente Caraguatatuba e São Sebastião tem, em cada cidade, uma Capela abandonada, retrato da falta de visão e de fé.

São duas as Capelas Abandonadas, a de Nossa Senhora das Necessidades em Caraguatatuba e a de Bom Jesus da Enseada em São Sebastião. A primeira está localizada no bairro do Tinga, na estrada do Kartódromo, nos domínios da antiga Fazenda Poyares e a segunda as margens da Rodovia SP-55 no bairro do mesmo nome, aproximadamente 200 metros após a divisa com Caraguatatuba.

Capela da Fazenda Poyares, Capela do Tinga ou Capela de Nossa Senhora das Necessidades foi construída em 1952 pelo dono da Fazenda Poyares, Eduardo Correia da Costa e sua esposa Laura Correia da Costa e inaugurada no ano seguinte. Dona Laura, como era conhecida, teria ganho a imagem de Nossa Senhora das Necessidades como presente de casamento e resolveu introduzi-la na capela construída pelo marido.

Nossa Senhora das Necessidades é venerada na região da Soalheira, em Portugal desde 1685 e segundo a sua história, teria ajudado Don João 5º a melhorar de uma grave doença e ele, como retribuição, teria mandado erguer um rico templo que pertenceu a família real até 1910. Outro fato pertinente diz respeito a invasão francesa em 1808, quando Portugal foi devastada pelas tropas de Napoleão e só a comunidade da Soalheira foi poupada, pois a santa teria enviado um denso nevoeiro, que teria escondido a cidade e feito os soldados franceses passarem ao largo sem perceber o povoado.

O abandono da Capela foi observado através das Redes Sociais, na página “Caraguá de Antigamente”, no Facebook, onde ao publicar uma foto do local, diversos membros do grupo e moradores antigos da cidade começaram a opinar sobre o assunto.

Segundo consta a Capela sobreviveu a Catástrofe de 67 e várias novenas foram feitas no local pelo Monsenhor Gabriel, além da execução de Congadas. Há lembranças do casamento de Aura Leonel com José Miranda de Faria em 1952, antes da inauguração formal da Capela. O Radialista Nerli Amaral conta que aos domingos eram realizadas missas pela manhã e aulas de Catecismo para os moradores do Tinga, que terminavam com jogos de futebol no período da tarde, no terreno que fica em frente a Capela.

Competiam arduamente os integrantes do Esporte Clube Praiano, que eram liderados pelas famílias Cruz e Butiá, tendo como gestores Néco Cruz, Zico Cruz e Néco Butiá.

A Capela tem cerca de 48 metros² e um dos últimos registros foram de um casamento na década de 70 do século passado. Infelizmente a imagem foi destruída por vândalos mas o sino foi retirado e encontra-se salvo na sede da Fazenda Poyares, guardada pelo seu gestor, Eduardo Meirelles, bisneto de Eduardo Correia da Costa.

Atualmente há um morador no local, num acordo de comodato feito entre o gestor e o morador. Antes disso era refúgio de drogados.

Na década de 90 o administrador do Kartódromo, Alberto Irias Júnior realizou uma pequena reforma no local, que se perdeu com o tempo.

Eduardo Meirelles – o Duduca, gestor do espólio da Fazenda Poyares conta que entre as décadas de 70 e 80 foi feito um Comodato com a Igreja Católica para o seu uso por um período de 30 anos a qual nunca foi usado. Meirelles conta que os bancos da Capela foram levados pela Igreja para o Sertão da Quina, em Ubatuba, onde a Diocese mantêm um retiro há décadas e mesmo com o fim do Comodato, feito antes de 1994 por Paulo Meirelles, pai de Duduca, nunca retornaram à Capela.

Duduca narra também um outro fato vinculado a Capela de Nossa Senhora das Necessidades, que se não for interessante, pode ser considerado como pitoresco. Ainda na época que o Padre André era o pároco da Matriz de Santo Antonio a mãe de Duduca – Maria Lúcia Meirelles – e o Padre entraram num acordo para a reforma da Capela e ela resolveu fazer uma Quermesse para angariar fundos. Ao final da Quermesse, no dia seguinte, o Padre estava na porta da casa de Maria Lúcia para pegar o dinheiro. A mãe de Duduca não entendeu ou aceitou pois imaginava usar o dinheiro para iniciar a reforma, com a igreja entrando com o que faltasse. Na ocasião o Padre explicou que o dinheiro arrecadado deveria ser enviado para a Cúria em Santos – sede da Diocese na época – para depois ser avaliado e aí sim, reenviado para a reforma. Dona Maria Lúcia não aceitou, fez a reforma com o dinheiro arrecadado e ainda completou com recursos próprios.

Capela de Bom Jesus da Enseada

Assim como a Igreja Católica não utilizou o Comodato feito há mais de 30 anos, atualmente a Diocese não reconhece as Capelas de Nossa Senhora das Necessidades e do Bom Jesus da Enseada. Segundo a Comunicação da Diocese a Igreja Católica não reconhece as construções, pois são consideradas como “Capelas Particulares e Caiçaras” e por isso não entram no rol de templos na região. Ao mesmo tempo alegam que as comunidades próximas as Capelas foram supridas por outros templos construídos a menos tempo. Reitera a Diocese afirmando que não tem verba ou intenção de fazer qualquer movimento em reformá-las.

A Secretaria de Comunicação da Prefeitura de Caraguatatuba informa que a reforma da Capela do Tinga é uma atribuição da Diocese e caso ela queira poderia até auxiliar, desde que a Diocese tenha interesse e faça tratativas sobre o assunto.

Quanto a Capela de Bom Jesus da Enseada muito pouco ou quase nada se sabe. Segundo a Comunicação da Prefeitura de São Sebastião não há registros oficiais sobre o local, o que poderia ser feito mediante uma pesquisa entre os moradores mais velhos. Ao mesmo tempo informa que está em estudos a reurbanização do bairro e quando houver verba e projeto sobre o assunto, a reforma da Capela estará incluída nos planos do Executivo.

Capela na Enseada

Assim como foi afirmado no início do texto, a falta de incentivo, de fé e de visão empreendedora estão enterrando o que poderia ser mais um nicho voltado para o Turismo. Citando particularmente Caraguatatuba a reforma da Capela, aliado a revitalização da estrada que leva ao Kartódromo e ao empreendimento em si traria turistas de um nicho específico – Religioso e Esportivo -, além de revitalizar um esporte que é tradicional no Brasil, como berço de campeões mundiais de automobilismo, adicionando mais elementos para melhorar a base da economia de nossa cidade, além de, é claro, criar mais alternativas para o cultivo da fé cristã no município.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *