A função do Jornalista é a de colher dados e informar a população sobre o que tem ocorrido nos quatro cantos do país. Mais do que informar a função do repórter é enxergar o que o povo e as ruas dizem, nas mais diversas formas. Neste caso vimos alguns atos politiqueiros durante o final do Defeso do Camarão.

 

Andor

E a cerimônia Barcos ao Mar, que marca o fim do defeso do Camarão na região apresentou uma cena, no mínimo piegas demais, algo que só os manuais de Marketing Político do Pós-Guerra ensinariam e hoje estão totalmente descartados.

 

Piegas

A do Andor sendo transportado até o barco para o início da Procissão é digna de comentário. A dupla da frente formada por Bagre Júnior e Marcel Isopor.

 

Não Religioso

Espanta-se ver o Secretário de Meio Ambiente segurando o Andor, visto que o mesmo não tem uma tradição de Religioso, o que demonstra ser uma tentativa de catequizá-lo ou que não havia mais ninguém querendo levar São Pedro para o barco.

 

Político

O segundo tem tradição de religiosidade advinda de Bagre Pai, mas levar o Andor força uma situação, ou seja, uma chance de aparecer e mostrar-se do tipo “O Coroinha que virou Prefeito!!!”, ou seja, piegas demais!!!

 

Novamente

Na mesma foto aparece o pároco da Igreja Matriz, que tem responsabilidade também pela Capela de São Pedro, localizada no bairro do Ipiranga, comunidade que tem sua maioria de Pescadores.

 

Servil

Não se sabe se foi o Padre que pediu para que esta dupla dinâmica levasse o Andor ou se pediram para ele e o mesmo consentiu. Se analisarmos os últimos eventos onde ambos aparecem, cada vez mais vislumbra-se uma atitude servil da igreja para com a atual administração.

 

Margarina

Uma dica para o marqueteiro e a Comunicação da Prefeitura. A imagem do Agente Político repetidas vezes sendo mostrada e ainda mais com tom de Família Margarina é conceito ultrapassado de político populista, que não cola mais nos dias de hoje.

 

Gincana

A nossa amiga Rosely Cavalheiro andou inquirindo na fan page campeã de audiência – Boca no Trombone – uma razão para Caraguá não participar da Gincana da Solidariedade da Rede Vanguarda.

 

Solidariedade

Segundo a Comunicação da Prefeitura o gasto para participação é muito alto, algo em torno de R$ 100 mil com um custo/benefício que não valeria a pena.

 

Organização

A Gincana da Solidariedade tem a participação de 16 cidades da região Metropolitana do Vale do Paraíba, divididos em quatro chaves com quatro cidades cada.

 

Objetivo

A escola que arrecadar mais Arroz, Macarrão e Feijão será a vencedora, com as entidades selecionadas recebendo o material arrecadado na proporção das cidades melhores colocadas.

 

Menor

O Contra & Verso foi apurar o fato e descobriu através de suas fontes, sempre as velhas e boas fontes, que o custo é bem menor.

 

Conta

Fazendo uma conta simples e rápida com a fonte descobrimos que o custo chega a casa dos R$ 45 mil, ou seja, não foi o que a resposta oficial informou.

 

Chato

Tá ficando chato isso!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *