A cidade de São Sebastião tem por tradição a não Verticalização de seus imóveis. Ao contrário de outras cidades, onde os Condomínios Verticais e Torres são a base da construção civil, em São Sebastião as construções não ultrapassam os nove metros ou três pavimentos. Tentativas foram feitas para mudar este cenário, mas o Prefeito Felipe Augusto preferiu manter a tradição em benefício do morador local.

A luta contra a Verticalização em São Sebastião sempre foi uma tradição. Lembro bem dos meus tempos de Imprensa Livre, quando era Correspondente do Jornal em Caraguatatuba que muitas das minhas matérias não eram publicadas porque o saudoso Nivaldo Simões dedicava boa parte do espaço de notícias para as discussões em torno do tema, de um lado sobre os problemas que isso iria gerar e do outro das supostas melhorias que iria trazer para o âmbito habitacional na cidade.

Quais seriam os prós e contras da Verticalização numa cidade como São Sebastião: Abordando a questão por um lado favorável a Verticalização favorece a demanda de moradias, reduzindo o valor dos aluguéis e aumentando a oferta no mercado na cidade, tanto para moradores locais como para Turistas e Veranistas.

Por outro lado ser contra a Verticalização é manter o município com uma corrente de ar constante, refrescando e “refrigerando” a cidade nos dias mais quentes do nascer ao pôr do sol. Ao mesmo tempo uma cidade sem Verticalização favorece a iluminação natural, sem o aparecimento de sombras durante o dia que estraguem a praia do morador local ou o crescimento de umidade em qualquer hora do dia, sem contar que construções até três pavimentos evitam a instalação de elevadores, o que barateia ainda mais a obra no preço final.

Se por um lado a Verticalização favorece a oferta de imóveis, a não Verticalização elimina a especulação imobiliária, que numa cidade turística como São Sebastião seria o sonho de consumo de Empreendedores e Imobiliárias, pois certamente estes imóveis verticais seriam separados e dedicados a Veranistas e Turistas.

Uma cidade baixa, sem Verticalização sobrevive melhor e com mais qualidade de vida do que um município com Arranha-Céus, Torres ou Condomínios com oito, 12 ou 15 andares, pois outro grande problema gerado por estes empreendimentos seria a demanda de esgoto e seu respectivo tratamento, de um volume muito maior do que uma cidade com imóveis de até três pavimentos ou até nove metros.

São Sebastião é uma cidade de uma grande extensão de terra, onde há espaço para vários tipos de residência dentro dos parâmetros tradicionais, mantidos pelo Prefeito Felipe Augusto através do Projeto de Lei encaminhado recentemente à Câmara Municipal, pois a Verticalização, acima das tradições adotadas e mantidas pelo povo Sebastianense é a melhor receita para uma cidade mais sadia e bonita para os seus moradores.

 

NOTA DA REDAÇÃO: Este Texto foi elaborado antes dos acontecimentos que resultaram nos Decretos e Ações sobre a Pandemia do Covid-19. Nas próximas edições abordaremos com profundidade tudo que foi feito com relação ao Corona Vírus.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *